terça-feira, 31 de maio de 2011

Sekidai de maio

Os três primeiros colocados no sekidai -- a sessão rápida de haicai -- realizada ao final da reunião de 28 de maio de 2011 do Grêmio Haicai Ipê:


1º. Lugar
A caneta de sempre
não desliza como antes --
Prenúncio de inverno

Teruko Oda



2º. Lugar
Tanto a fazer
e o dia já se vai --
Prenúncio de inverno

Monica Martinez

3º. Lugar
Esfregando as mãos
um homem passa na rua --
Prenúncio de inverno.

Edson Kenji Iura

domingo, 22 de maio de 2011

Outono



Mais de quarenta anos
E a emoção é a mesma...
Por-de-sol de outono.

More than forty years
And the thrill is still the same ...
Golden Autumn Sunset.

Fotografia e haicai: Monica Martinez

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Livro traz haicais de Portugal

Ao abrir a caixa de correspondências hoje tive uma surpresa: um envelope A5 vindo de Portugal. Nele, o livro De Frente para o Mar – poesia haiku contemporânea, organizado pelo professor universitário, músico e poeta David Rodrigues, de Lisboa, e lançado pelo selo Palimage, de Coimbra.

A capa elegante, vermelho sobre negro, chama a atenção. Na hora do almoço, li o conteúdo do princípio ao fim. Descobrir o haicai feito hoje em Portugal é uma experiência encantadora.

Ela me lembrou da vez que fui participar de um congresso na Ilha da Madeira. Além da paisagem exuberante, recordo-me da sensação muito peculiar de se visitar um país do mesmo idioma. Há uma familiaridade gostosa, afinal várias palavras e hábitos são os mesmos. Vários, mas não todos. Assim, ocorre uma sensação de se estar em casa e, ao mesmo tempo, paradoxalmente, de se estar em uma deliciosa viagem. Qual o sentido da palavra nortada? E da expressão rasa à água? Algo como expresso pelo filósofo e crítico literário alemão Walter Benjamim (1892-1940) quando ele fala das duas famílias de narradores, representadas pelo camponês sedentário e pelo marinheiro comerciante.

Em pouco tempo, percebi que a emoção foi mais forte que a razão. Não importava desconhecer o significado desta ou daquela palavra. A experiência poética ultrapassava estes limites da linguagem e as imagens puras e cristalinas que haviam impressionado os dez autores desta antologia atravessavam o mar e me atingiam em cheio.

Tomo a liberdade de compartilhar uns poucos haicais da coletânia. Alguns são próximos dos haicais puristas japoneses, a moda de Bashô, como praticamos no Grêmio Haicai Ipê de São Paulo, com sua métrica precisa:

A escarpa agreste –
Malmequeres amarelos
Respirando o mar
Leonilda Alfarrobinha

pôr-do-sol no mar!
Só o olhar fica para cá
Do horizonte.
David Rodrigues

Anoitecer de Setembro:
Um casal abraçado
Na varanda
Yvete Centeno

Outros, libertos da métrica, flutuam como o do poeta Albano Martins, professor da Universidade Fernando Pessoa, do Porto:

Diz o vento
Ao mar: sem mim,
não podes voar
.

Ao terminar a leitura, fica o deslumbramento pela produção destes poetas portugueses que buscam a difícil arte de forjar em palavras o essencial, como pedem os haicais.

Por fim, lembrei-me que Benjamim falava que o sistema corporativo medieval contribuiu para a interpenetração das duas famílias narrativas, uma vez que o mestre sedentário e os aprendizes migrantes trabalhavam juntos na mesma oficina. Para o alemão, haviam sido os mestres artífices que haviam aperfeiçoado a arte da escrita. Fiquei a imaginar como seria uma mistura de haiku brasileiro e português contemporâneo, dos haikais de lá com os haicais de cá. Mas isto é conversa para outra hora, que agora vou reler este livro com a merecida calma, pois vale muito a pena!

Monica Martinez

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Noite de inverno

As luzes acesas
no prédio solitário --
Noite de inverno.

The lights still on
in the solitaire building --
Long night of winter.

Monica Martinez

segunda-feira, 2 de maio de 2011